Telefone:  11 4555-2277  /  11 4555-1030

  

Menu

Itens filtrados por data: Julho 2020 - Colégio Monsenhor

Drive Thru da Família

Neste ano, estamos privilegiados por muitas coisa, como por exemplo o maior convívio familiar, mas também estamos privados de muitas e muitas outras coisas.

Não pudemos realizar a tradicional Comemoração pelo Dia das Mães e não poderemos realizar a Feijoada do Dia dos Pais, mas mesmo assim iremos comemorar com o Drive Thru da Família, que será realizado no período das 9h às 11h do dia 08/08, véspera do Dia dos Pais.

As Famílias virão de carro, passarão pela rampa de frente ao Colégio, onde professores e funcionários estarão presencialmente para saudá-los e para podermos matar um pouquinho da nossa saudade.

Ação solidária:

No Drive Thru da Família contamos com sua generosidade ofertando produtos de higiene pessoal e lenços de cabelo que serão doados na Campanha Outubro Rosa.

Com essas doações, iremos ao contato dos menos favorecidos, aqueça seu coração!

Contamos com a participação de todos.

Atenciosamente,

Leia mais ...

Prepare-se para as provas

Data das provas:

  • Provas impressas - Dias 17/01 e 24/01

  • Provas Digitais - Dias 31/01 e 07/02

 

O Inep disponibiliza todas as provas e os gabaritos do Enem para você estudar pelas questões de edições anteriores.

Já as Matrizes de Referência do Enem determinam o que será avaliado em cada área do conhecimento. Vale dar uma espiada!

 

Atenção!

Tirar nota 1000 na redação do Enem é possível!

A Cartilha do Participante – Redação no Enem tem dicas de como estruturar seu texto e explicações sobre a correção e os critérios usados na distribuição dos pontos. Tá tudo lá. Confira a cartilha do ano anterior enquanto aguarda a de 2020.

E tem novidade! Neste ano o Inep disponibilizou material inédito para auxiliar na preparação para o exame. Confira os manuais de capacitação dos corretores de redação.

 

Se liga!

A Plataforma Videoprova em Libras tem todas as questões da prova na Língua Brasileira de Sinais.

Há também uma versão da cartilha da redação em Libras, no canal do Inep no YouTube. Confira a Cartilha do Participante – Redação no Enem em Libras.

Leia mais ...

Anjos da Quarentena

A quarentena não diminui a fome das famílias carentes de nossa Paróquia.

Ação solidária da Igreja Matriz de Mauá.

Faça sua doação na secretaria ou Sàbado, 18/07, das 8h às 12h.

Drive Thru no sábado - Não precisa descer do carro.

 

Paróquia Imaculada Conceição

Leia mais ...

Universidade São Judas oferece teste vocacional gratuito e digital

Para ajudar os alunos a tomar uma decisão mais assertiva, a Universidade São Judas, com unidade em São Bernardo, disponibiliza de forma gratuita e digital a ferramenta Minha Escolha. Trata-se de um teste vocacional que identifica as aspirações do candidato, em várias áreas do conhecimento, baseado nos pilares Psicologia, Práticas de Mercado e Matrizes Curriculares.

Ao final do teste interativo, o candidato não só confirma suas áreas de interesse como também fica sabendo sobre vestibulares, bolsas e financiamentos para o curso.

“É um serviço importante para quem está fazendo a escolha da profissão, o que, neste momento de pandemia, gera ainda mais dúvida e ansiedade. Neste sentido, a São Judas também oferece palestras virtuais com profissionais da área, abordando, inclusive, o novo cenário das profissões com todas as mudanças tecnológicas que estamos passando”, destaca Roberta Xande, supervisora de Relacionamento com Escolas e Empresas da São Judas – Campus Unimonte.

Minha Escolha

A ferramenta Minha Escolha é uma parceria da São Judas com a BRG Inteligência Educacional. Para fazer o teste, basta acessar o site saojudas.minhaescolha.com.br, preencher alguns dados pessoais e clicar em fazer o teste. O código de acesso que deve ser digitado é MEAJUDE.

Leia mais ...

Saúde Mental: As emoções não entram em quarentena!

Os cuidados com a saúde mental são tão importantes quanto os cuidados com a saúde física.

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) lançou cartilhas sobre a questão da saúde mental frente aos desafios da pandemia, onde fala que um terço ou até metade da população pode vir a desenvolver algum tipo de transtorno psicológico, isso se as pessoas não aprenderem a lidar melhor com os sentimentos.

A crise vai passar mas o distanciamento social pode deixar sequelas psicológicas, se as pessoas não souberem lidar melhor com as emoções.

Existem sentimentos e comportamentos normais e esperados para esse período anormal que estamos vivendo. Como por exemplo:

Sentimentos de luto: pela quebra da rotina diária, pela impossibilidade de ir ao colégio, o direito de ir e vir.

Sentimentos de medo: medo de sair de casa, de ficar doente, de perder pessoas queridas, de não aprender nada, de reprovar de ano, medo de como vai ser depois que as aulas voltarem na forma presencial.

Sentimentos de tédio: por conta da falta de rotina e falta do que fazer.

Sentimentos de sobrecarga: principalmente para os pais e professores por conta da quantidade de tarefas que não acabam, ficam divididos entre trabalho, atividades de casa e cuidados com filhos.

É normal ficar mais ansioso, inseguro, porque existem uma série de questões que ficam mais difíceis para resolver.

A crise prejudica aspectos da cognição, prejudica a forma de pensar, de agir, traz confusões, falta de foco, atenção e concentração.

Do ponto de vista emocional a crise pode deixar as pessoas em estado de choque, paralizadas ou com transbordamento emocional.

Medo, tristeza e raiva são sentimentos que também acompanham as pessoas, podendo ainda, esses sintomas oscilarem durante todo o dia.

É importante buscar um ponto de equilíbrio entre essa avalanche de emoções e sentimentos para não desencadear doenças.

Vale lembrar que o distanciamento social potencializa problemas já existentes, quem já tinha algum tipo de problema relacionado ao estresse, a ansiedade e depressão, os sintomas tendem a aumentar, então quem estava em tratamento tanto medicamentoso quanto psicológico, não parem!

Não existe uma receita pronta para passar por tudo isso, mas existem estratégias de apoio:

1- É preciso reconhecer que algo mudou e aceitar a realidade.
Reconstruir um dia de cada vez.
Se concentrar em respostas racionais e não emocionais.

2- Ao invés de questionar o "porque", se questionar "e agora"?
Em vez de ficar pensando no que estaria fazendo antes da pandemia, pense como você pode fazer hoje?
Isso ajuda a aumentar a capacidade de resolver problemas e traz sentimentos de esperança.

3- Tente lidar com o sofrimento sem ter que fazer coisas negativas como ficar agressivo, violento, comer demais, beber, se cortar ou fazer algo ruim para fugir do momento.
Se alguma coisa dessas estiver acontecendo peça ajuda o mais rápido possível.

4- Reconheça os exageros:
Peça desculpas caso tenha sido agressivo ou mal educado com alguém, isso ajuda a manter a harmonia e o equilíbrio dentro de casa.

5- Estamos vivendo um excesso de contato com quem está dentro de casa, com uma extrema saudade de quem está do lado de fora.
É importante se conectar com as pessoas, falar que está com saudades, dialogar, expressar os sentimentos mesmo que seja por ligação, mensagem de texto ou chamada de vídeo.

6- Separe um momento do dia para acolher as emoções, olhe para dentro de si e perceba o que está sentindo, isso ajuda a separar a ação da emoção.

7- Crie uma rotina diária para alimentação saudável, prática de exercícios físicos, tempo para estudo, lazer e descanso.

8- Faça coisas que tragam bem estar, como: ouvir música, ler livros, assistir filmes e séries ou criar algo novo.

9- Aproveite para colocar as coisas em ordem: armários, gavetas, resumos, materiais e atividades.

10- Pratique respiração e meditação, isso ajuda a acalmar os sintomas do estresse e da ansiedade e proporcionam relaxamento, calma e paciência.

Então dentro das possibilidades, encontre uma nova forma de viver, olhe para dentro de você, se observe mais, perceba suas emoções, não deixe nada dominar negativamente seus pensamentos e suas ações.

Busque enxergar o lado positivo de tudo isso, você está desenvolvendo novas habilidades como capacidade de enfrentar dificuldades, adaptabilidade, tolerância a frustração, capacidade de enxergar novas soluções e aprendendo a ter empatia e solidariedade.

Todas essas potencialidades podem ser levadas como aprendizado para a vida, permitindo a formação de uma pessoa mais saudável e equilibrada, pronta para outros desafios da vida.

 

Andréa Oliveira

Psicóloga Escolar

Leia mais ...

Protocolo de retorno às aulas

Nesta apresentação você verá todos os procedimentos que serão adotados no Colégio Monsenhor para minimizar o risco de contágio do Coronavirus.

Baixe a apresentação em PDF para ficar ciente de todas as recomendações do protocolo.

Leia mais ...

Chupeta e mamadeira, como lidar com isso na quarentena?

Após a entrada na escola a criança começa a desenvolver algumas responsabilidades, e é importante para ela perceber que cresceu, e que deverá cumprir com algumas regras estabelecidas, pois assim lidará melhor com as suas tarefas.

O uso da chupeta e mamadeira após os 2 anos de idade reforça sua dependência emocional e pode atrapalhar o desenvolvimento de fala, dos órgãos fonoarticulatórios e sua aprendizagem. Como exigir responsabilidade se dizemos através dos objetos que ainda é um bebê?

Fonte: https://www.dicasdemulher.com.br/razoes-para-nao-oferecer-chupeta-ao-seu-bebe/

 

Em tempos de quarentena, em que estamos praticamente todo o tempo em casa, é natural que a criança peça mais por esses objetos, que fique mais manhosa de certa forma, visto que houve uma mudança grande na sua rotina e de seus familiares, o que pode trazer-lhe insegurança. Não a deixe usar disso para ter todos os seus desejos atendidos.

Para que o uso da chupeta e da mamadeira não seja excessivo nessa fase, o ideal é que converse com a criança sobre os malefícios dos mesmos, deixe claro que agora não é mais um bebê, e determine os momentos que poderá utilizá-los até a sua retirada total.


Assim, segue algumas dicas que poderão auxiliar nesse processo

Fonte imagem: https://www.maternidadecolorida.com.br/copos-de-treinamento-transicao-pros-contras-e-como-escolher/

  • A mamadeira deve ser dada apenas com o objetivo de alimentação, nunca após ou antes as refeições principais ou como substituta das mesmas.
  • Sempre que possível, oferecer o leite no copo, estimular que as refeições sejam feitas à mesa, junto com os outros familiares.
  • Caso a criança após os 2 anos de idade ainda faça uso de várias mamadeiras ao dia, ir retirando uma de cada vez, comece pela que acha que sentirá menos falta, e substitua pelo copo (pode ser o copinho treino ou de transição). Aos poucos, vá retirando as outras.
  • Deixar claro que a chupeta é apenas para dormir, não permitindo seu uso durante as brincadeiras ou outras atividades é fundamental para a retirada posterior.
  • Caso a criança insista, dê a chupeta e coloque-a para dormir, retirando brinquedos ou outros atrativos, assim ela acabará escolhendo o que é mais divertido e deixando a chupeta de lado.
  • A chupeta não deve sair de casa, nos passeios, idas ao supermercado ou outros, não leve a chupeta, assim não ficará tentada a dar se ela pedir.
  • Estabeleça um prazo para a retirada total, se ela faz uso dos dois (chupeta e mamadeira) retire uma de cada vez, começando pelo que acha que ela sentirá menos falta.
  • Ao final deste prazo estabelecido (não deve ultrapassar 1 mês e pode ser utilizado um calendário para a criança ir anotando as datas), a chupeta/mamadeira deve ser eliminada da vida da criança. Em troca pode ser dado um “presente”, que não precisa ser material, mas algo que a criança valorize.

Um abraço,

 

Gleidis R. Guerra

Fonoaudióloga Escolar

Leia mais ...
Assinar este feed RSS