Telefone:  11 4555-2277  /  11 4555-1030

  

Menu
  • Publicado em Notícias
  • Ler 62 vezes

Saúde Mental: As emoções não entram em quarentena!

Saúde Mental: As emoções não entram em quarentena!

Os cuidados com a saúde mental são tão importantes quanto os cuidados com a saúde física.

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) lançou cartilhas sobre a questão da saúde mental frente aos desafios da pandemia, onde fala que um terço ou até metade da população pode vir a desenvolver algum tipo de transtorno psicológico, isso se as pessoas não aprenderem a lidar melhor com os sentimentos.

A crise vai passar mas o distanciamento social pode deixar sequelas psicológicas, se as pessoas não souberem lidar melhor com as emoções.

Existem sentimentos e comportamentos normais e esperados para esse período anormal que estamos vivendo. Como por exemplo:

Sentimentos de luto: pela quebra da rotina diária, pela impossibilidade de ir ao colégio, o direito de ir e vir.

Sentimentos de medo: medo de sair de casa, de ficar doente, de perder pessoas queridas, de não aprender nada, de reprovar de ano, medo de como vai ser depois que as aulas voltarem na forma presencial.

Sentimentos de tédio: por conta da falta de rotina e falta do que fazer.

Sentimentos de sobrecarga: principalmente para os pais e professores por conta da quantidade de tarefas que não acabam, ficam divididos entre trabalho, atividades de casa e cuidados com filhos.

É normal ficar mais ansioso, inseguro, porque existem uma série de questões que ficam mais difíceis para resolver.

A crise prejudica aspectos da cognição, prejudica a forma de pensar, de agir, traz confusões, falta de foco, atenção e concentração.

Do ponto de vista emocional a crise pode deixar as pessoas em estado de choque, paralizadas ou com transbordamento emocional.

Medo, tristeza e raiva são sentimentos que também acompanham as pessoas, podendo ainda, esses sintomas oscilarem durante todo o dia.

É importante buscar um ponto de equilíbrio entre essa avalanche de emoções e sentimentos para não desencadear doenças.

Vale lembrar que o distanciamento social potencializa problemas já existentes, quem já tinha algum tipo de problema relacionado ao estresse, a ansiedade e depressão, os sintomas tendem a aumentar, então quem estava em tratamento tanto medicamentoso quanto psicológico, não parem!

Não existe uma receita pronta para passar por tudo isso, mas existem estratégias de apoio:

1- É preciso reconhecer que algo mudou e aceitar a realidade.
Reconstruir um dia de cada vez.
Se concentrar em respostas racionais e não emocionais.

2- Ao invés de questionar o "porque", se questionar "e agora"?
Em vez de ficar pensando no que estaria fazendo antes da pandemia, pense como você pode fazer hoje?
Isso ajuda a aumentar a capacidade de resolver problemas e traz sentimentos de esperança.

3- Tente lidar com o sofrimento sem ter que fazer coisas negativas como ficar agressivo, violento, comer demais, beber, se cortar ou fazer algo ruim para fugir do momento.
Se alguma coisa dessas estiver acontecendo peça ajuda o mais rápido possível.

4- Reconheça os exageros:
Peça desculpas caso tenha sido agressivo ou mal educado com alguém, isso ajuda a manter a harmonia e o equilíbrio dentro de casa.

5- Estamos vivendo um excesso de contato com quem está dentro de casa, com uma extrema saudade de quem está do lado de fora.
É importante se conectar com as pessoas, falar que está com saudades, dialogar, expressar os sentimentos mesmo que seja por ligação, mensagem de texto ou chamada de vídeo.

6- Separe um momento do dia para acolher as emoções, olhe para dentro de si e perceba o que está sentindo, isso ajuda a separar a ação da emoção.

7- Crie uma rotina diária para alimentação saudável, prática de exercícios físicos, tempo para estudo, lazer e descanso.

8- Faça coisas que tragam bem estar, como: ouvir música, ler livros, assistir filmes e séries ou criar algo novo.

9- Aproveite para colocar as coisas em ordem: armários, gavetas, resumos, materiais e atividades.

10- Pratique respiração e meditação, isso ajuda a acalmar os sintomas do estresse e da ansiedade e proporcionam relaxamento, calma e paciência.

Então dentro das possibilidades, encontre uma nova forma de viver, olhe para dentro de você, se observe mais, perceba suas emoções, não deixe nada dominar negativamente seus pensamentos e suas ações.

Busque enxergar o lado positivo de tudo isso, você está desenvolvendo novas habilidades como capacidade de enfrentar dificuldades, adaptabilidade, tolerância a frustração, capacidade de enxergar novas soluções e aprendendo a ter empatia e solidariedade.

Todas essas potencialidades podem ser levadas como aprendizado para a vida, permitindo a formação de uma pessoa mais saudável e equilibrada, pronta para outros desafios da vida.

 

Andréa Oliveira

Psicóloga Escolar